Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Apadrinhamento Civil

Blog sobre apadrinhamento civil. Vamos relatar a nossa experiência como padrinhos civis. Esperamos poder contribuir para que aumentem os candidatos e que mais crianças possam sair das instituições e viver em família.

Blog sobre apadrinhamento civil. Vamos relatar a nossa experiência como padrinhos civis. Esperamos poder contribuir para que aumentem os candidatos e que mais crianças possam sair das instituições e viver em família.

Apadrinhamento Civil

09
Set19

Os desafios

Padrinhos Civis

Perguntaram-nos num comentário pelos desafios deste projeto.

Muito fácil responder a essa pergunta. Os desafios são a relação com o pai biológico.

Enquanto o nosso menino vivia na instituição ele estava acomodado. Mas o facto de a criança ter passado a viver com outra família despertou no pai sentimentos de posse e ciúme. Passou a ligar amiúde, o que antes não fazia. Pede à criança para nos mentir sobre situações que ocorrem quando passa o fim de semana com ele. Quis impedir a criança de passar férias no estrangeiro connosco, tentando persuadir a criança a dizer-nos que não queria ir (como a criança queria ir, claro que não fez o que o pai lhe mandou, o que fez com que o pai ficasse furioso).

Quanto à relação propriamente dita com a criança, não tem mais desafios do que aqueles que se vivem com um filho biológico. Cada criança tem os seus desafios. A nossa filha biológica é teimosona, este menino tem a memória de curto prazo reduzida, o que torna a aprendizagem escolar difícil. Acabo de o deixar na escola e de lhe relembrar algumas ideias para o dia, mas sei que logo à tarde me vai confessar que se esqueceu... Quando a deixei a ela na escola no mesmo ano de escolaridade em que ele está, sabia que ela ia trazer os recados todos. Com ele tenho de estar atenta, e repetir as coisas mil vezes...

Também posso referir que nos primeiros meses este menino roía as unhas, fazia xixi na cama e chegou a fazer umas birras próprias de criança mais pequena. Para as unhas comprei verniz, que ele comia na mesma. O xixi nunca ralhámos e dissemos sempre que não fazia mal, tentando apenas que fosse à casa de banho antes de dormir Às birras, não dávamos importância nenhuma, ficávamos a olhar como que para um espetáculo surpreendente, o que o incomodava e fazia parar. Entretanto, todas essas situações cessaram. Acho que não foi devido a nenhuma técnica por nós usada. Acho que apenas sucede que o menino se sente mais confiante e seguro.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Flag counter

Flag Counter

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D